domingo, 26 de outubro de 2008

Coisas de Mulher


Decididamente somos diferentes: nós somos daqui e ‘eles’ de lá!Nós, mulheres, temos coisas que os homens não entendem: uma delas são nossas bolsas!
Passa ano, entra ano, os homens conseguiram abolir suas pochetes, suas carteiras, suas bolsas ‘tiracolo’ que viraram quase envelope, tipo cartão de apresentação. Passaram a sair, apenas, com o cartão de crédito e uns trocados. Colocam esse ‘arsenal’ num dos cinqüenta bolsinhos das calças. Não sabem nem onde vão colocar as mãos que ficam voando por aí. E o interessante é que dá certo: ficam com liberdade e sem ‘risco’ de roubo.Conosco o negócio já é diferente: a moda deste ano não passará imperceptível, e estamos felizes com o tamanho descomunal das bolsas. Eu não faço parte do time das mulheres grandes: mas estou à procura da maior bolsa do mundo. Que caiba tudo. Os homens não têm a noção do que carregamos! Mas somos assim: gostamos de sair levando a nossa casa! O que vira tortura é acharmos as coisas dentro da bolsa... E neste ponto começa o nosso vasto repertório #*§*#... - que aprendemos com eles!
Outra coisa é o fôlego que temos para percorrer as 400 lojas de um shopping e, em cada uma pedir reserva da mercadoria por uma hora. Terminada a via-crúcis, voltamos pra casa: pensamos e pensamos... E a dúvida continua. Porém, tudo vira surpresa: acabamos comprando o que nem cogitávamos. Maravilha. Os homens agüentam isso? Não: eles têm aquela coisa sem graça, de comprar no primeiro impulso sem ver cor, preço e pesquisar outros modelos. Compram no desatino.Nós, mulheres, temos orgulho de sermos diferentes: curtimos a compra. Ficamos horas olhando as ‘araras’ cheias de cabides, as prateleiras abarrotadas de blusas que temos certeza que não vamos comprar. Eu não tenho muita objetividade no quesito ‘comprar’; gosto de soltar minha imaginação. Fico a imaginar o tanto de horrível que tal coisa ficaria em mim... Mas isso não deixa de ser um exercício, algo de cunho educativo: olhar e não levar. Acho que dado ao fato de sermos assim, nossos sentidos são mais aguçados: ficamos na observação, o que não deixa de ser uma vantagem.
Nosso lado multifacetado ainda nos torna abnegadas. Somos felizes quando amamos um só homem, quando somos respeitadas e amadas verdadeiramente. E não precisamos provar nossa feminilidade... Portanto, não critiquem nossas manias:São coisas de mulher!

7 comentários:

BRUNO LEONARDO disse...

Oi,linda

Mmm...pois é...eu sempre fico curioso quando vejo uma mulher com bolsas tão grande..penso:o que essa mulher carrega neste mundo?
Outra coisa:ir "ás compras" com mulher,jamis!!!!rs

beijos

Vanna disse...

Querida, não sou do tipo q carrego a casa na bolsa, mas pago o preço. rsrsrs
Gosto muito do teu jeito d falar pela escrita.
Bjs, linda semana.

Bonequinha de Luxo disse...

Oi,amiga
Adoooro! Bolsas pra mim tem que ser ENOOOORMES!! São tantas tranqueiras que eu levo comigo...só Freud explica!
Homem não leva nada pq são seguros de si..só pode!
Voltei a escrever lá no Bonequinha...vamos ver até quando!
bjs

Cláudia Gonçalves disse...

Eu CONFESSO! Carrego não só a casa, mas o periquito, o papagaio e até o cachorro do vizinho se brincar (risos). O resultado é um bico de papagaio no pescoço (acho que não cabia mais na bolsa) de tão pesada que ela é.

E sou tão, tão desorganizada com elas, que fico me perguntando porque sou assim com minhas bolsas? E pior... por que faço isso com minha cervical (coitada!).

Agora comprar é bom demais, mas sem marido pra pentelhar né.

Ai, ai...

Bjo.

R.Vinicius disse...

Que as mulheres não mudem esse jeito, essa forma de ser tão feminina. Eu gosto de acompanhar e sou paciente nas compras, pois não tem preço o tempo que estamos com quem amamos, com quem temos muito carinho. Observar a nossa companhia escolhendo uma roupa rende muito conhecimento, muita história pra contar, muitos sorrisos, muitas horas de conhecimento mutuo. Fico imaginando os casais, os amigos, que se conhecem e não se conhecem no sentido de conhecer mesmo. Não sabem a cor favorita, o tipo de roupa ou perfume que a pessoa gosta. Se há algo que estimo é isso, a companhia.

Gostei muito do Blog, do post, a senhorita escreve muito bem.

Abraço, até breve,

R.Vinicius

Luciana disse...

Sempre que quero esvaziar um pouco a minha bolsa por causa do peso, fico pensando no que eu poderia tirar que não fosse me fazer falta. Mas, por fim, acabo não tirando nada, pois sempre que tiro, acabo precisando daquela coisa depois... É a Lei de Murphy! Tudo que eu levo na bolsa é de extrema necessidade! rs

BANDEIRAS disse...

É por isso que ainda não aderi esta nova muda: bolsas estúpidamente grande ! se eu usar uma dessas, corro o risco de entrar nela e ela me carregar, isso se eu não encontrar um larápio antes. Mas essa de andar em shoppings é maravilhosa, eu amo passear neles. Entro em todas as lojas, pena que meu amor não gosta, prefere outros lugares. Mas prá falar a verdade, prefiro ou ir sozinha ou com uma de minhas amigas que sei que gosta de shoppings.

Bjs